Páscoa & Chocolate

Crônica 01#
Especial Páscoa

                                                                                                                              Por Ingrid Silva

 
cesta-Amor, taqui seus chocolates!
– Que chocolates, querido?
– Nossa como você anda com a cabeça nas nuvens ultimamente, amanha é Páscoa, não lembra? Comprei uma cesta divina para você, e não caibo mais em mim, tenho que lhe entregar logo, veja – Tem três ovos, um de chocolate branco, outro meio amargo e tem até um de morango, e se reparar bem tem um ursinho de pelúcia no meio, sem contar nos bombons soltos… vamos, pegue!
– Amor, eu não posso comer chocolate.
– Como não pode? Isso não existe. Todas as namoradas do Brasil, na páscoa, vão saborear produtos achocolatados. Não precisa engolir tudo de uma vez, guarda pra semana que vem, pro mês inteiro.
– Hugo, o médico me proibiu de comer chocolate.
– E daí? Esquece o médico, não é dia dos médicos, é páscoa. Quando é que as mulheres vão se emancipar da tutela dos homens?
– E você não é homem, criatura? Você quer que eu seja independente comendo o chocolate que você faz questão de me dar?
– Eu vou ficar triste se não aceitar.
– Fique não amor. Vamos fazer uma coisa, dê essa cesta linda pra sua mãe.
– Pra
mamãe? Você sabe quantos chocolates ela já recebeu? Sem contar que o pai comprou uma cesta parecida com essa pra dar pra ela amanha.
– Toda mãe merece ganhar presente em qualquer época do ano, uma cesta a mais, uma cesta a menos, não vai fazer a menor diferença, e ela vai amar.
– Não posso dar chocolates para a
mãe.
– Não pode por quê?
– Engorda.
– Ah muito bonito, quer dizer que a sua mãe não pode engordar, e eu, que sou sua namorada, posso, né? Que belo namorado arranjei.
– Não é nada disso amor, não quero que você nem a mãe engordem. Mas se a mãe engordar, problema de papai.
– O problema é de nos mulheres, antes de mais ninguém, ouviu? Ou você não acha mais que as mulheres devem resolver por si mesmas o que as convém ou não convém?
– Mas chocolate
amor, uma coisa a toa – que importância tem isso?
– Tem importância para sua mãe, tem importância para você que não quer que ela fique barriguda por causa de chocolate, porque não teria importância para mim? Só porque é páscoa você ousa oferecer chocolate que engorda, à autora dos seus dias felizes?
namorados– Autora de quê? Estas falando difícil, amor. Até parece linguagem de concurso publico. Deixa, não tem importância, quer dizer que estas mandando meu presente para P…
– Hugo, não repita!
– Nem cheguei a dizer!
– Mas ia dizer, não admito que use essas expressões falando comigo.
– Que expressões? Desculpe, não quis te ofender
amor. Estou só lhe oferecendo chocolate, entende?
– Está bem.
– É muito alimentício.
– Eu sei.
– Aff, que dieta louca é essa?
– Chega, Hugo. Não precisa chegar a tanto, quem não sabe que chocolate é bom e gostoso? Eu adoro chocolate, mas…
– Então pega a cesta!
– É uma tentação, mas eu resisto.
– Eu ajudo a destruir o que esta ai dentro
amor.
-Não.
-Prova só um chocolatezinho mais legal, com recheio de licor.
– Não.
– Unzinho só. Delicia.
– Nãooooo, leve pra sua mãe, já disse.
– Iii, já entendi tudo, você quer ter uma sogra de barrigona estufada de tanto comer chocolate, só pra ter o gostinho de dizer que você é mais bonita que ela.
– Seu bobo, some da minha frente com esse chocolate que eu não sou mais sua namorada!
– Ahh não! Na-na-ni-na-não
amor! estava brincando. Então vai, me diz, que horas eu passo aqui amanha pra te pegar?
– As 18:30h , a missa começa as 19:00h.
Missa, pra quê missa?
– Ou Senhor amado do céu, não escute essa criatura.
– Ah é né amor? Quase esqueci,
ressurreição de Jesus Cristo, como pude.
– Então é isso, esta tarde, vou entrar. As 18:30h amanha então?
– Ah não vai assim não, vem cá vem…
-(…)
-(…)
– E a cesta
amor? Vou ter que voltar com ela pra casa?
Pois me dê aqui, que não vou comer, mas vou colocar bem ali assim…
– Anham, sei, sei…
– O que disse?
– Nada, nada, pensando em voz alta.
– Humm… Então ta amor, tchau.
– Tchau minha linda, te amo.
– Te amo também.